O grito

A pandemia matou a vida que a gente vivia, a excessão da polarização, essa segue firme nos acompanhando. O que vemos agora como protagonistas são os SOBREviventes x os SUPERviventes.


Em um extremo os sobreviventes lutando contra a pandemia, isolados o máximo que podem em suas casas, respeitando protocolos de segurança ditados por organizações oficiais, sofrendo com os danos psicológicos do distanciamento social e ambiental. 

Do outro os superviventes, que se negam a viver enlutados e preferem criar seus próprios critérios para se permitirem seguir vivendo a vida da maneira mais normal possível, sofrendo com a doença de fato e o julgamento social. 

Os extremos são manifestações de feridas narcísicas, e essas feridas antecedem grandes transformações. Segundo Freud, três feridas narcísicas históricas foram responsáveis por grandes mudanças na humanidade:

A primeira foi protagonizada por Cupernico, quando ele nos apresentou o sistema heliocêntrico (a terra, ou seja o homem, não é o centro do universo). O homem na margem.

A segunda ferida é deferida por 
Darwin no qual o homem é mais um animal, entre outros animais e não a imagem e semelhanças e Deus (teoria da evolução das espécies).

A terceira, ironicamente narcísica, porém justa, surgiu com o próprio  Freud com a Psicanálise e a teoria do inconsciente. O homem não é livre, muito menos tem o controle de tudo.

Interessante que os SOBREviventes silenciam-se e os SUPERviventes gritam, ambos cheios de si, com suas razões e certezas. Mas enquanto não saírem das posições narcísicas de que não se trata de si mesmo, ainda discutiremos se é mesmo o Sol o centro do universo.

Positivamente,
Milena Mendonça 🌻


🖼 Obra ‘O Grito’, do artista norueguês Edvard Munch, em 1893.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Perdão: o que isso tem a ver com sua saúde mental?

Como a Psicanálise e a Psicologia Positiva contribuem para o seu Florescimento

Psicólogos online: a nova tendência da terapia.