Ansiedade após o diagnóstico de coronavírus

Falar sobre ansiedade após diagnóstico de covid-19, parece óbvio né? Mas nem tanto.

Apesar de todo estresse vivido na pandemia, tudo começa com a “certeza” humana de que somos imortais, que “comigo não vai acontecer”. Sim, isso não é um privilégio seu. Todos nós acreditamos nisso. 

De repente, se imagine, com o diagnóstico de covid. Existem 3 possíveis quadros: assintomático, leve e grave. Surge então a ansiedade. “Qual desses quadros em mim se manifestará?”

Em todo processo do adoecimento é sentida a ansiedade. Aos assintomáticos o isolamento dos 15 dias em companhia do medo, “a qualquer momento a doença pode evoluir”. Aos leves um medo maior, pois há sintomas sentidos. Aos graves, os procedimentos hospitalares, sem acompanhantes, a falta de contato físico, a frieza e o maior medo de todos: a certeza da nossa mortalidade e finitude.

Passado o susto, surge o alívio, a batalha foi vencida. Porém, venceu mesmo? Ou também perdeu? Um amigo querido, um amor, um familiar, um cliente, um paciente? Sim, você foi conscientemente ou não um vetor. Surge a culpa, ainda acompanhada da angústia. Isso em quadros humanamente saudáveis de sobreviventes do coronavírus.

Calma, eu disse imagine. Isso não precisa ser uma realidade. Fique em casa, siga as orientações da OMS, use máscara. Cuide de você e preserve os outros.

Isso vai passar, espero que logo! E só depende de você! Só depende de nós!

Sobre a ansiedade, ela é esperada, é até positivo senti-la. Mas, quando ela é limitante, sufocante, não. Aí é o momento de vermos que já passou da hora de procurarmos ajuda, de fazermos terapia.

Positivamente em casa,
Milena Mendonca 🌻

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Perdão: o que isso tem a ver com sua saúde mental?

Como a Psicanálise e a Psicologia Positiva contribuem para o seu Florescimento

Psicólogos online: a nova tendência da terapia.