Transtorno Desafiador Opositivo: como lidar, o que é, sintomas e tratamentos

Assim como qualquer adulto, as crianças também podem ter seus momentos de raiva e indignação.
Afinal, sentir raiva é uma manifestação instintiva do ser humano e é importante que cada indivíduo
aprenda a controlá-la.
No entanto, quando os episódios de raiva são constantes e a criança se recusa a obedecer e adquire o
hábito de discutir com adultos, é possível que ela tenha Transtorno Desafiador Opositivo (TDO),
condição comportamental da infância, caracterizada por constantes episódios de desobediência e
hostilidade.
É preciso ter cautela para diagnosticar a doença, já que muitas vezes é difícil distinguir o transtorno
desafiador opositivo de um comportamento normal de busca de independência. O importante é
considerar a frequência e a intensidade dos episódios.

Os principais sintomas de TDO são:
. Acessos de raiva frequentes
. Frequentes discussões com adultos, particularmente com os que fazem parte de sua rotina
. Recusa-se a trabalhar em grupo
. Não aceita ordens
. Não realiza deveres escolares
. Não aceita crítica
. Tem baixa autoestima
. Quer tudo ao seu modo
. Perturba outros alunos
. Responsabiliza os outros por seu comportamento hostil
. É frequentemente rancoroso ou vingativo
. Demonstrou comportamento rancoroso ou vingativo pelo menos duas vezes nos últimos seis
meses.

Vale ressaltar que somente um profissional da área da saúde pode realizar o diagnóstico de TDO. Os
critérios incluem sintomas emocionais e comportamentais que duram pelo menos seis meses:
O diagnóstico do TDO pode ser feito por meio de entrevistas detalhadas com a criança (caso tenha idadesuficiente) e com os pais, responsáveis e professores. Reunir informações de diferentes pessoas pode ajudar o profissional a determinar com qual frequência os comportamentos ocorrem e em quais
momentos.
O TDO não tem uma causa definida, mas a construção dos relacionamentos familiares parece ser um
fator importante para o desenvolvimento do distúrbio.

Tratamento de transtorno desafiador opositivo
O tratamento que costuma ser mais utilizado é a psicoterapia, individual e familiar. Apesar de não haver substância específica para o tratamento, é possível que o médico recomende o uso de medicação.
Interagir de forma enérgica com a criança num momento de agressividade pode fazer com que a
situação saia do controle. É importante fazer com que ela entenda que seu comportamento não está
adequado e que ela pode agir de outra forma. Tente dizer isso de forma calma e clara.
Caso você sinta que está perdendo a paciência com a criança, tenha em mente que ela convive com uma condição de saúde que precisa de apoio e orientação profissional e não tem culpa de viver essa
situação.

Com carinho,
Isadora Lacerda

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Perdão: o que isso tem a ver com sua saúde mental?

Como a Psicanálise e a Psicologia Positiva contribuem para o seu Florescimento

Psicólogos online: a nova tendência da terapia.