Como a disciplina positiva pode ajudar na criação de seu filho

Qual pai ou mãe nunca escutou frases como “Não existe manual de instrução para educar filhos”, ou
“Quando nasce uma criança nasce também uma mãe (e /ou um pai)”.
São ditados muito populares, e que podem parecer muito diferentes entre si num primeiro momento.
Entretanto, guardam uma grande semelhança, um ponto em comum: expressam o desafio de se criar
filhos, de se impor regras, de se demonstrar afeto, sem que se transforme a criança em um ser humano
carregado de traumas (por excesso de rigidez ou autoritarismo) ou de mimos e “caprichos” (por excesso de permissividade ou omissão).
Sem tender aos extremos, a maneira mais adequada de se educar os filhos é aquela que busca
equilíbrio, que estabelece limites firmes e que incentiva, ao mesmo tempo, a liberdade e a autonomia
da criança. A boa notícia é que existe uma filosofia, um conjunto de métodos que pode ajudar pais e
mães a encarar o desafio de educar seus filhos conforme esses princípios de equilíbrio: a Disciplina
Positiva.
A Disciplina Positiva tem como objetivo educar com foco no afeto, na compreensão, no respeito e no
aprendizado mútuo. A educação positiva entende que castigos ou chantagens, por exemplo, não
constroem um bom desenvolvimento para a criança. A educação positiva, por outro lado, enfatiza o
melhoramento da autonomia, do otimismo, da autoconfiança e de outras habilidades que preparam a
criança para a vida, sem nunca deixar de estabelecer limites firmes e regras sólidas.
Educando dessa forma, conforme princípios da Disciplina Positiva, os pais conseguem influenciar,
inclusive, na esfera socioemocional do indivíduo. Isso traz melhorias cognitivas que se desdobram em melhor desempenho escolar, melhor convívio com as pessoas e no fortalecimento o vínculo entre os filhos e demais membros da família.
Em resumo, a Disciplina Positiva, ainda que não seja o tão desejado “manual de instruções”, traz
princípios e reflexões valiosas sobre como educarmos nossos filhos de forma mais equilibrada e mais
preocupada com sua formação integral.

Como aplicar a educação positiva? Abaixo seguem algumas recomendações práticas:

Ajude seu filho a pensar
Estimule seu filho a pensar sobre suas atitudes e sobre as situações cotidianas. Por exemplo: em vez de proibi-lo de assistir à televisão até tarde, faça perguntas estimulando-o a pensar nas consequências
desse ato.
Seja o exemplo
Cumprir o que diz, não mentir e não realizar chantagens ou subornos são alguns modos de como a
família deve agir. É dando exemplos que você poderá esperar que seu filho também aja assim, pois
muito do que os filhos fazem é uma reprodução do que veem nos familiares.
Estabeleça regras
Para a educação positiva, os limites são benéficos, por isso estabeleça combinados e regras firmes. Para além da obediência, seu filho vai aprender a reagir de modo positivo em situações adversas, a superar frustrações e a assimilar noções de responsabilidade e comprometimento.
Repreenda as ações
Críticas não devem recair sobre a criança, mas nas ações. Explique por que o que ela fez é inadequado ou por que isso causou algo desagradável no outro.
Enfatize o lado positivo
Reconheça o bom comportamento do seu filho e elogie o esforço dedicado em suas atividades.
Isso fará com que a criança encare a vida com a mesma dedicação, valorizando as qualidades e as boas atitudes.
Dialogue sempre
O diálogo é um dos grandes pilares na educação positiva. Converse, explique e escute, de modo que
todos na família participem. Quando a criança é ouvida, ela se sente importante e se reconhece como
parte daquele contexto.

Com positividade,
Isadora Lacerda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Perdão: o que isso tem a ver com sua saúde mental?

Como a Psicanálise e a Psicologia Positiva contribuem para o seu Florescimento

Psicólogos online: a nova tendência da terapia.