14 de março de 2019

O que acontece quando a mãe não está emocionalmente presente?

Quando nascemos, nossa mãe é o centro do nosso mundo, nosso abrigo, nosso alimento e grande parte de nossa própria identidade nessa fase da vida. É uma fase na qual estamos intensamente sintonizados, não apenas com o mundo físico, mas principalmente com o mundo emocional dela.

Mães física e emocionalmente presentes constituem um “mundo ideal”, no qual o bebê encontra suporte para suas necessidades de desenvolvimento emocional e cognitivo. Entretanto, não é sempre que esse nível de dedicação é possível. Eventualmente, a mãe não consegue ou não tem disponibilidade para estar presente de maneira a suprir completamente as necessidades do bebê. A pergunta principal aqui é: o que acontece quando a mãe não está emocionalmente presente?


A mãe emocionalmente ausente não fornece muitas das funções esperadas de uma “boa mãe”, já seu coração não está disponível para a criança e, dessa forma, ela não cria um vínculo emocional com seu filho. Segundo a psicoterapeuta americana Jasmim Lee Cori, em seu livro “Mãe Ausente, Filho Carente”, dois padrões de resposta em bebês cujas mães estão emocionalmente ausentes são os mais comuns:

(1) Afastar-se da mãe, evitando contato com ela a fim de manter um estado mais agradável.
(2) Fazer esforços extraordinários para encantar a mãe, para atraí-la.

É doloroso imaginar os esforços de um bebê para, mesmo que de forma inconsciente, obter êxito em qualquer que seja esse padrão de resposta, já que sua mãe é o vínculo “com o mundo e a melhor esperança de que suas necessidades sejam satisfeitas”. Ainda segundo a psicoterapeuta, um tipo comum de mãe emocionalmente ausente é a mulher que está deprimida. “Mães deprimidas interagem menos com seus filhos, e os bebês mostram menos sentimentos positivos, tornam-se apegados de modo inseguro quando são crianças pequenas e se saem pior em tarefas cognitivas. Essas crianças muitas vezes crescem para se tornar adultos que não estão acostumados com o contato caloroso e nutridor”.

Portanto, é importante que as mães prestem atenção ao próprio mundo interior. Como estão sendo supridas suas próprias necessidades emocionais? Qual é o nível de presença e suporte emocional que estão prestando aos seus bebês? As trocas entre mãe e filho durante a primeira infância da criança são fundamentais para um desenvolvimento completo, robusto e feliz. Para isso, o “bom estado” da saúde emocional das mamães é insubstituível.

Com carinho,
Isadora Lacerda.

13 de março de 2019

Reconhecendo a criança interior: um contato com o seu mundo emocional

Sempre gostei de ligar a imagem da nossa criança interior ao nosso mundo emocional. Pensar na criança e como ela expressa e processa emoções pode ser uma ótima maneira de compreender como lidamos com situações difíceis e determinadas dinâmicas em relacionamentos. 

A criança que chora por uma dor “invisível”, que faz birra por algo aparentemente sem sentido, que parece “só querer controlar” situações ou talvez “chamar a atenção”, comunica um mundo emocional ainda desconhecido ou pouco investigado. Tantas são as mensagens por trás dessas emoções! Medos, traumas, anseios ou até mesmo necessidades básicas não atendidas. 



Necessidades essas que, como adultos, não podemos voltar atrás e atender. É preciso cuidar dessa criança (muitas vezes ferida) no presente que temos para viver. Crescemos. E trazemos conosco as luzes e as sombras dessa criança. O que aprendemos e assimilamos no nosso inconsciente; a maneira que exploramos o mundo ao nosso redor; a forma que aprendemos a confiar ou desconfiar do outro; como nos relacionamos intimamente. Tanto se pode desbravar acerca das influências da nossa criança interior e nossa vida presente. 

Pode-se refletir em como nossa criança foi cuidada no passado. O que lhe diziam quando estava triste? Como lhe tratavam quando estava com raiva? Quem lhe ensinou a digerir o medo? Como ela aprendeu a criar coragem dentro dela? Quem fomentou ou podou sua curiosidade acerca do mundo ao redor? Como aprendeu a lidar com a vergonha? Como era atendida quando chorava e precisava de apoio emocional? 

Que mensagens essa criança recebeu sobre o cuidar de si? Sobre o aprender a processar e se responsabilizar por suas emoções? Ou ainda, aprender a se relacionar consigo mesma (suas dores, anseios, frustrações, alegrias e tristezas) e com o outro? 

Como adultos, podemos resgatar nossa autonomia, segurar na mão da nossa criança interna e dizer: “Vai ficar tudo bem, não precisa tomar as rédeas, estou aqui para cuidar de você agora”. Talvez assim, dar permissão para que essa criança possa finalmente ser criança. Trazendo brilho aos nossos olhos de gente grande e ocupada, nos ajudando a enxergar novas possibilidades e a apreciar o mundo e as pessoas ao nosso redor. Ela pode finalmente se permitir brincar, sorrir e descansar quando for preciso. Ela pode fazer questão de passar tempo com gente que ama só por se sentir segura com aquela companhia. Aprender coisas novas, desbravar lugares, fazer novos caminhos. Ela pode deixar suas potencialidades fluirem e cumprir seu papel de ser leve e livre dentro de você. E principalmente, aprender a confiar nesse adulto também interno, deixando que ele cuide de suas necessidades ao longo do caminho. 

O adulto responsável por suas emoções permite que o outro seja quem é. E, através da curiosidade (e não do medo, da ansiedade ou tentativas de controle), explora o mundo do outro com respeito e amor. Da mesma forma que foi aprendendo a conhecer, aceitar e respeitar o próprio mundo interno. Ser gentil consigo mesmo, com sua criança interior, te trará formas mais saudáveis de se relacionar com o mundo. Tolerância, empatia, gentileza. Como seria o mundo de hoje com adultos que tenham suas crianças internas bem acolhidas e amadas? 

O processo de auto-conhecimento e auto-cuidado pode ser intenso, longo e difícil de assimilar. Pode ainda ser profundo, bonito e transformador. Estar pronto para se conhecer e se responsabilizar por você mesmo (suas emoções e atitudes) é um grande passo para mudar o que está ao redor. Com amor e gentileza, respeitando nosso tempo interno, nossas dores, nossos sentimentos e nossas relações, acabamos por respeitar também o tempo do outro.

Que a sua criança tenha sempre espaço para brincar e amar com segurança dentro de você!

Gratidão,
Renata.

25 de fevereiro de 2019

Como a Psicanálise e a Psicologia Positiva contribuem para o seu Florescimento


Por, Milena Mendonça – psicóloga

Pessoalmente, a psicologia sempre me fascinou como uma profissão capaz de melhorar a vida das pessoas, que nos ajuda a sermos mais felizes, levar uma vida mais plena e resolver nossos problemas humanos, ou seja, florescer.



Desde 2007 é minha profissão e minha prática profissional me emociona, me estimula intelectualmente e me dá sentido! Considero a melhor das profissões e sinto-me afortunada por poder praticá-la. Ainda na graduação, me identifiquei muito com a Psicanálise em especial, porque Freud sempre se preocupou com a cura, “cura pela fala”, como ele nomeava, livrando o paciente dos sintomas para sempre, por meio de catarse e insights. Em nossa formação, aprendemos como o comportamento humano funciona, como fazer as pessoas superarem seus distúrbios, dilemas, conflitos…

Isso é básico em nosso trabalho, mas a prática profissional me ensinou que o cerne do que nós, psicólogos, fazemos é melhorar a relação entre pessoas com eles mesmos e com os outros. Isso de forma integral, empática e respeitando o tempo de cada um. Então, com a intenção de continuar meus estudos em Psicanálise, decidi que iria me especializar na Capital Mundial da Psicoterapia, Buenos Aires. Dentre os diversos cursos de mestrado ofertados pelas universidades "porteñas", descobri a Psicologia Positiva, me apaixonei a primeira vista e em 2010 me tornei a primeira brasileira/o Mestra em Psicologia Positiva.

Sou umas das poucas psicólogas no Brasil, se não a única, que mescla a Psicanálise com a Psicologia Positiva. Ofereço um formato terapêutico híbrido, isto é, uma combinação entre elementos relacionados com a Psicoterapia Positiva e a Psicoterapia tradicional (Psicanálise).

São teorias complementares, na qual uma trabalha os aspectos dos sofrimentos e traumas (Psicanálise) e a outra os aspectos positivos humanos (Psicologia Positiva). A Psicologia Positiva é uma abordagem da psicologia moderna que se centra no estudo de uma vida feliz e com bem-estar. Funcionando como complemento para as outras abordagens. É uma forma de entendimento humano a partir de suas fortalezas, capacidades, e não apenas no olhar acerca do trauma e da enfermidade como fazem as abordagens tradicionais. Ou seja, os aspectos positivos e negativos ao mesmo tempo, e com a mesma relevância. O que fez todo sentido, já que cuidar não significa apenas consertar o que está com defeito, mas também cultivar o que temos de melhor. A cura então, a meu ver, deve associar essas duas perspectivas. Tendo como objetivo alívio de sintomas (proporcionado pelas terapias tradicionais) com o desenvolvimento de: emoções positivas, mais engajamento, mais sentido, (propósito), realizações e relacionamentos humanos positivos. Práticas essas, cruciais para o florescimento e bem-estar (objetivo da Psicologia Positiva).

Sinto-me realizada por trabalhar com o que amo e principalmente por poder ajudar as pessoas a serem mais felizes e resilientes. As intervenções positivas em conjunto com as técnicas psicanalíticas aumentam a eficácia psicoterápica e aumentam as chances de cura. Todos nós temos um enorme potencial e o trabalho do terapeuta se concentra em melhorar o que já é bom, bem como iluminar as áreas mais escuras que dificultam que saibamos viver. Os psicólogos ajudam seus pacientes a serem mais livres, autênticos. Conhecer a Psicologia Positiva, esta foi uma grande descoberta pessoal e realmente me impactou.

Tanto teoricamente quanto na prática, esta abordagem nos fornece ferramentas eficazes para sermos mais otimistas, resilientes, criativos e assim, mais saudáveis. A psicologia positiva não tem nada a ver com "ter pensamentos positivos e conseguir o que quer”. É uma abordagem cientifica, com bastante embasamento. Assim, a Psicologia Positiva abarca muito, muitíssimo, mas não é a solução de tudo no mundo. Por isso, ao uni-la a outras abordagens (como a Psicanálise, no meu caso) o resultado da terapia torna-se muito mais eficaz.

Em 2016 fundei o projeto Casa Positiva, que desde o começo eu queria que fosse muito além de uma clínica, meu sonho: promover qualidade de vida para todos. Ao longo do caminho, grandes profissionais aderiram a essa ideia. Que hoje floresceu com as atuais integrantes e suas importantes colaborações. Nossa Casinha segue crescendo, e crescendo todas juntas, uma apoiando a outra e em consequências todos se beneficiam desse florescimento, em especial nossos pacientes. E o que um dia foi um sonho, hoje é uma realidade, e cada dia mais pessoas podem se beneficiar com nosso projeto.

20 de fevereiro de 2019

Como a TCC e o Tatadrama contribuem para o seu florescimento.


Por, Isadora Lacerda – psicóloga

A Terapia Cognitivo Comportamental, ou TCC, é uma das diversas abordagens da psicologia. Ela entende a forma como o ser humano interpreta os acontecimentos e como eles nos afetam, e não os acontecimentos em si. Ou seja: é o entendimento de como cada pessoa vê, sente e pensa com relação a uma situação que causa desconforto, dor, incômodo, tristeza ou qualquer outra sensação negativa.
Essa abordagem é bastante específica, clara e direta. É utilizada para tratar diversos transtornos mentais de forma eficiente. 



Seu objetivo principal é identificar padrões de comportamento, pensamento, crenças e hábitos que estão na origem dos problemas, indicando, a partir disso, técnicas para alterar essas percepções de forma positiva. A TCC se destina ao tratamento dos diferentes transtornos psicológicos e emocionais tais como: ansiedade, depressão transtornos psicossomáticos, transtornos alimentares, fobias, traumas, dependência química, entre outros.

E é dessa forma que tenho florescido ano após ano, pois também faço terapia nessa abordagem, aprendendo semanalmente como nossas crenças muitas vezes nos boicotam e nos manipulam através dos pensamentos disfuncionais.

Porém, sempre fui uma pessoa curiosa e determinada e, devido a esse perfil, vivo buscando me aprimorar, aperfeiçoar e conhecer novas técnicas que possam somar na minha vida pessoal e profissional, pois quanto mais me trabalho mais me fortaleço, me transformo e floresço, contribuindo para o florescimento e o empoderamento dos meus pacientes como pessoas melhores para si e para o mundo. E é lindo demais acompanhar esse movimento!

Devido a essa curiosidade, a essa vontade de aprender e continuar buscando ferramentas para ajudar o próximo e a mim mesma, conheci o TATADRAMA. O Tatadrama é um conjunto de dinâmicas sensoriais e corporais, com fundamentação na espontaneidade do ato de brincar, associada a técnicas do Psicodrama e do Sociodrama. Seu objetivo é facilitar a vivência e o redimensionamento da temática do universo do indivíduo em suas inquietações sob os aspectos pessoais, sociais, educacionais, culturais e de saúde. Sua dinâmica tem como principal recurso o uso de um conjunto de bonecos e bonecas de pano, cujas figuras são trabalhadas para promover o autoconhecimento, revelar segredos, estimular sentidos, emoções, consciência corporal e imaginação.

Graças a essa experiência que adquiri com o uso do TATADRAMA, hoje me sinto uma pessoa mais forte e ainda mais consciente das minhas questões pessoais, e consciente também de que o florescer é eterno e de que quanto mais damos atenção a ele mais ele crescerá. Com isso, faço um convite: permitam-se olhar para dentro! Só assim iremos florescer e contaminar o mundo com amor, empatia e muita positividade.




18 de fevereiro de 2019

Como a Terapia Ericksoniana, familiar e de casal contribuem para o seu florescimento.


Por, Renata Brügger - psicóloga 

Um olhar humano está repleto de sua própria humanidade. Digo isso em muitos sentidos. Temos a experiência do que nos toca de maneira positiva, o que facilmente podemos fazer florescer e dar frutos dentro e fora de nós. Porém, temos também o que nos dói e nos é difícil processar, o que preferimos deixar “embaixo do tapete”, escondido nos nossos processos inconscientes.



A terapia “feita sob medida”, criada pelo Psiquiatra Norte Americano Milton Erickson, nos traz ferramentas para acessar tanto o que compreendemos conscientemente e queremos transformar, quanto o que está por trás da nossa dor ou angústia. Mais do que isso, a abordagem Ericksoniana foca em soluções e potenciais, trabalhando com nossos recursos internos e com o que já temos para começar nossa jornada em direção aos nossos objetivos terapêuticos. 

Utiliza a linguagem simbólica do insconsciente através de metáforas, visualizações e da hipnose para abrir novos caminhos e criar novas maneiras de encontrar o que buscamos. E utiliza também o desenvolvimento da nossa consciência para que possamos aprender a criar hábitos e relacionamentos mais saudáveis com nós mesmos e com o outro. Sempre um passo de cada vez, no seu tempo e do seu jeito, como cada planta, árvore, fruto ou flor fazem para nutrir-se, crescer e doar-se ao mundo.

Unindo nossas habilidades pessoais aos recursos e conflitos existentes no contexto familiar, a Terapia Relacional Sistêmica ou Terapia Familiar e de Casal vem abrindo portas para a comunicação interpessoal. Apresentando ainda o quão enriquecedores são os padrões, hábitos e dinâmicas que estabelecemos com membros da nossa família. Essa riqueza, contudo, nem sempre está polida e brilhante, pronta para ser vista e apreciada. Na maioria das vezes, temos dificuldades de enxergar os tesouros cotidianos e as oportunidades de crescimento diante de crises e conflitos ligados às relações familiares. 

Assim, a Terapia de família cria oportunidades de contar e ouvir as histórias dos que vieram antes de nós, e de perceber como essas histórias podem estar moldando nossas escolhas, nossa visão de mundo e nossas construções futuras. Ajuda-se então a desenvolver novas formas de enxergar os papéis desempenhados por membros da família, incluindo o papel que nos foi dado. E, mais do que apenas aceitar e seguir esse papel, nossa transformação interior pode levar à construção da nossa própria forma de ser e pertencer ao grupo familiar (e tantos outros grupos importantes em nossas vidas). Essa mudança terapêutica de consciência, hábitos e padrões relacionais permitem ainda que se demonstre ao mundo e ao outro novas maneiras de amar e florescer.

E do trabalho realizado com a Terapia Ericksoniana e a Terapia Familiar e de Casal, deixo aqui uma reflexão minha em forma de metáfora e de florescimento...

“Ser humano, vivo como planta, mais parece rosa, roseira, cada um de uma cor. Família é roseira, não é não? Amor é rosa. De cor e de flor. O que lhe dói, o que lhe toca, o que pode lhe espetar, está ali nos espinhos da rosa, da roseira inteira. Mas são desses espinhos, é desse toque, que se nasce uma das flores mais bonitas e encantadoras de toda a existência dos que vivem e dos que não vivem. Penso que é com cuidado que se deve tocá-la, os espinhos assim não lhe machucarão. E a rosa florescerá em seu olfato e em sua visão. Quem sabe até em outros sentidos. O amor sempre abre possibilidades infinitas. E se escolhemos amar os espinhos, tratá-los com cordialidade e carinho, as rosas, simplesmente e belamente, florescem”.



11 de fevereiro de 2019

Quando a TCC e a Psicologia Positiva contribuem para o seu Florescimento.

Por, Emanuela Hora - psicóloga 


Dentro da Psicologia existem diversos tipos de abordagens terapêuticas, dentre elas, há a Terapia Cognitiva Comportamental (TCC), que pode te auxiliar no tratamento de vários transtornos psicológicos como, ansiedade, depressão, fobias, transtornos alimentares, traumas, estresse e dependência química.





A terapia cognitiva comportamental tem como premissa básica que a maneira como as pessoas interpretam o que acontece com elas, determina como sentem e se comportam. Ou seja, como as pessoas se sentem e o que elas fazem, são afetados pela forma como ela pensa.


“Entre o que acontece comigo e minha reação ao que acontece comigo, há um espaço. Neste espaço está a minha capacidade de escolher minhas respostas e definir o meu destino” (Stephen Covey )


A terapia cognitiva comportamental é breve, específica e focada no problema do cliente. Nela, o psicólogo busca identificar padrões de pensamentos que antecedem comportamentos e sentimentos que trazem sofrimento ao cliente, utilizando técnicas para corrigir as distorções cognitivas, crenças, pensamentos automáticos e esquemas disfuncionais que impedem que ele tenha um funcionamento mais positivo.


Sabendo que a forma como alguém interpreta os eventos da vida é determinante para que o nível de bem-estar dela seja alto ou baixo, agregando as técnicas da TCC e as pesquisas da Psicologia Positiva, que é o movimento científico que estuda o bem-estar e a felicidade, você pode florescer ainda mais.


Florescer, de acordo com Martin Seligman, considerado pai da Psicologia Positiva, é o processo de funcionamento positivo do ser humano, isto é, quando se cultiva emoções positivas, o engajamento, propósito de vida, relacionamentos positivos e realizações, podemos alcançar a felicidade autêntica.


A Psicologia Positiva tem o poder de transformar a sua vida, contribuindo para sua saúde, relacionamentos positivos, aumento da produtividade. Através da Psicologia Positiva você pode identificar o que tem de melhor, suas forças, virtudes e valores, o que contribui para aumentar o seu nível de bem-estar e satisfação com a vida. Quem é mais feliz tem mais sucesso, mais saúde, são mais prósperos e tem relacionamentos interpessoais mais saudáveis.


A TCC junto com a Psicologia Positiva pode mudar a sua história de vida, potencializar seus resultados, te oferecendo o caminho para seu florescimento. 


Com amor e positividade, Emanuela Hora.




6 de fevereiro de 2019

Como a nutrição e o vegetarianismo/veganismo contribuem para o seu florescimento?


Por, Angie Marques - Nutricionista 


A alimentação é a base do funcionamento do corpo físico e vai muito mais além. Ela é a base do corpo mental, emocional e espiritual.

Comecei a ver a alimentação com outros olhos na junção do yoga, da patologia e das emoções. Sabia que ela tinha como me ajudar a manter o equilíbrio de tudo isso. Confiar nela foi minha melhor escolha. Floresci.


E quando eu entendi que ela contribuía nos cuidados e proteção dos animais e do meio ambiente, eu floresci mais uma vez. Como era feliz saber que eu podia me alimentar somente de amor. Sem dor. Sem destruição. Sem maldade. Sem choro. Só amor. E bem amparada nutricionalmente.

Isso tudo reflete dentro da gente. Nosso corpo muda, nossos pensamentos mudam, nossas emoções se equilibram. A nossa consciência se expande, começamos a ver e sentir o mundo de outra forma. Florescemos.

Crescemos em atos, gestos e ações. Cuidamos do nosso corpo com mais amor e atenção. Sabemos o que ele sente, como se manifesta e o que ele precisa. Ficamos mais amigos. Questionamentos e respostas vão surgindo e cada vez mais vamos descobrindo que alimentação é autocuidado, é amor ao próximo.

Cada dia que passa é merecimento e o florescimento vem da maneira mais leve, de uma alimentação mais leve, da terra, que brota, que nasce novamente, que respeita ciclos, que traz tudo na hora certa e quando tem que ser.

A semente na terra nutre-se de luz, de água, floresce por nós e para nós. É uma troca de amor. Por que não nos alimentarmos só de amor? O nosso florescimento depende da gente. 

Vamos, de mãos dadas!


23 de janeiro de 2019

Psicólogos online: a nova tendência da terapia.


Por, Milena Mendonça - psicóloga 

Os Psicólogos “online" vêm desenvolvendo um novo fazer psicoterápico e cada vez mais, sendo demandados para atendimentos nessa modalidade. Afinal, a terapia online tem igual eficácia para a maioria dos casos e conta com uma série de vantagens em relação a psicoterapia tradicional.



Qualquer abordagem psicológica pode ser contemplada pela modalidade online e particularmente vejo em minha prática muitos bons resultados. Em especial pela associação que faço da Psicanálise com a Psicologia Positiva.

Normalmente utilizo a ferramenta Skype ou Facetime para realizar minhas sessões online. Faço desde meu consultório. E os pacientes online e presenciais fazem parte da mesma agenda.

Adoro o tête-à-tête possibilitado nas sessões presenciais, mas as sessões online também têm outras grandes vantagens:

1. Positive-se de onde estiver.

Só é necessário conectar-se a internet para a terapia ser realizada. Em qualquer lugar e de qualquer lugar do planeta! Permite maior flexibilidade de trabalho, sem deslocamentos, inclusive possível em férias e viagens, tanto para o paciente, quanto para o profissional. Utilizo bastante essa modalidade com pacientes que residem fora do país, por estes quererem ser atendidos em sua língua materna.

2. Flexibilidade de horários.

Permite que adapte ao seu trabalho e a sua rotina familiar. Ao ser online, otimiza seu tempo, por não perdê-lo com esse deslocamento.  

3. A escolha do Psicólogo.

Além de poder ser atendido de qualquer parte do mundo, o paciente também pode escolher o profissional de qualquer lugar do mundo. Sendo mais fácil a adesão e eficácia terapêutica ao ser atendido por um profissional que admira e se identifica.

4. Confidencial.

Essa vantagem existe tanto na modalidade online quanto na presencial. A confidencialidade é regulamentada e garantida pela ética do profissional psicólogo. O que existe na psicoterapia online é apenas um maior anonimato, já que o paciente não precisa ficar "exposto" numa recepção para realizar a psicoterapia.

Quando falo sobre a psicoterapia online, surgem alguns questionamentos: Quais as demandas para a Psicoterapia Online? Quem pode fazer? Quais os “problemas" psicológicos podem ser resolvidos através dessa modalidade?

Com a psicoterapia adquirimos novos mecanismos, geramos empatia, rompemos ideias limitantes e escassas, melhora nosso bem-estar, aumenta nossas fortalezas e possibilita nosso florescimento. Tanto a modalidade online, quanto a presencial possibilita essa transformação.

A psicoterapia online se adapta a algumas mudanças da sociedade e, sobretudo, às necessidades das pessoas que buscam ajuda psicológica. Porém, existem algumas limitações, pelo menos para mim. Não conseguiria manejar um paciente psicótico ou realizar psicoterapia familiar na modalidade online, por exemplo. Cabe ao profissional ter a sensibilidade e experiencia de entender quais são as suas limitações.

A sociedade muda, e a Psicologia desde sua origem sempre adotou a essas mudanças e foi quebrando paradigmas. Como o surgimento da Psicologia Positiva, por exemplo, um modelo não tão novo, mas ainda pouco conhecido. E, a meu ver, outra tendência que psicólogos atualizados deveriam aderir. Como um complemento de suas abordagens psicológicas. E claro que quando falamos em psicologia positiva, nós não falamos sobre a ditadura do pensamento positivo que vemos na publicidade e senso comum, mas de uma orientação apoiada por numerosas investigações científicas e que servem para tratar uma infinidade de problemas. E sim, a meu ver, uma mudança de paradigma necessária para evolução da nossa ciência. Exatamente como a modalidade online, vejo como uma evolução do nosso fazer psicológico. A Psicologia é uma ciência muito rica, de extrema necessidade e potencialidades, porém ainda pouco explorada e muito enrijecida, infelizmente pelo nosso próprio meio.

A regulamentação da terapia online pelo nosso conselho mostra que nosso conselho está alinhado com o progresso da nossa prática, o que é excelente para nós profissionais e principalmente para os pacientes que se beneficiam da Psicologia. Que sigamos inovando no fazer psicológico e florescendo nossa ciência e especialmente nossos pacientes.

Com carinho, Milena Mendonça.

17 de janeiro de 2019

Quais os benefícios das frutas e vegetais no verão.

Por, Angie Marques, nutricionista.

 O calor está entrando na sua janela, o sol está nascendo mais cedo e indo embora mais tarde e o dia é mais longo que a noite. Logo, o nosso corpo precisa de alimentos mais refrescantes e cheios de água. Sei que não é novidade que devemos evitar alimentos industrializados, cheios de conservantes e substâncias químicas por serem nocivos ao nosso corpo. 


Mas por que será que as frutas e verduras são tão importantes para nossa saúde em todas as estações do ano e principalmente no verão?! O nosso corpo precisa água, vitaminas e minerais que ajudam no funcionamento dos órgãos e sistemas metabólicos. 

Essas substâncias precisam ser ingeridas diariamente e com dosagens especificas para cada idade. Então, elas são mais importantes do que imaginamos ser. Elas estão nas frutas e vegetais, principalmente. 

Comer frutas e vegetais com mais frequência no calor, nos traz a sensação de leveza, alivio e fluidez. São alimentos vindos da terra, leves, com baixo teor de gorduras e carboidratos, mas com alto teor de água e micronutrientes. No verão nos desidratamos com mais facilidade, ficamos muito expostos ao sol e isso faz com que a sensação de fraqueza venha com mais frequência e que precisemos de alimentos mais leves, de fácil digestão e naturais, que nos tragam disposição. Quanto mais colocarmos para dentro de nós alimentos vivos e naturais, mas estaremos cheios de vida não só no verão, mas em todas as estações do ano.




11 de janeiro de 2019

Ano novo, novo ciclo.


Por Isadora Lacerda, psicóloga 

E um novo ciclo se inicia. Já parou para pensar no que você pode fazer por você?

Nem sempre (na verdade, quase nunca) é necessário, ou mesmo benéfico, esperar por um momento específico para começar uma mudança em direção ao que nos faz melhores. Apesar disso, aproveitar a passagem de um ano velho para um outro que se inicia pode ser positivo por aproveitar a atmosfera de esperança que o novo enseja.


Aproveitando a início desse novo ciclo devemos tentar prestar atenção a alguns aspectos da vida. Que hábitos ou costumes ainda são válidos? Quais comportamento e sentimentos nos ajudam, e quais nos atrapalham em nossa jornada cotidiana? Talvez percebamos que faz mais sentido sermos diferentes do que fomos até então. E então é necessário mudar. Trocar as roupas que não servem mais.

Não é tarefa simples sair do que sempre foi familiar. Ao mesmo tempo que determinada situação – emprego, relacionamento, casa, religião – pode estar causando agora sofrimento, negação ou desconforto, ela deve ter sido também por muito tempo uma maneira de estarmos seguros e firmes.
Permanecer em um ciclo que já se fechou, entretanto, é altamente desgastante, por geralmente cobrar um alto preço emocional. Estar aberto, disponível e receptivo para novas oportunidades e experiências é o que a vida nos propõe ao fim de cada etapa!

Lembremo-nos sempre das palavras do filósofo grego Sócrates: “O segredo da mudança é concentrar toda a sua energia não em lutar contra o velho, mas em construir o novo”. Que possamos olhar os problemas como desafios, a dor como meio de aprendizado, as mudanças como oportunidade de transformação, a insatisfação como eterna busca.
Feliz ciclo novo!


Com carinho,
Isadora Lacerda.

4 de janeiro de 2019

Janeiro traz a energia de recomeço: como usar essa energia para realizar mudanças positivas!


Por, Emanuela Hora

O mês de janeiro chega carregando a energia da renovação, do início de um novo ciclo, trazendo também a possibilidade de recomeçar. É comum iniciar o ano mais motivado, com novas (ou antigas) metas (re) escritas, mais fé e esperança. A maioria das pessoas percebe janeiro como uma nova chance de realizar seus sonhos, de fazer as mudanças necessárias, de iniciar algo que há muito tempo tem vontade, mas, por algum motivo, se perdeu pelo caminho. É assim com você?

Realmente o ano novo é uma nova chance de fazer diferente, porém, aquela história de que o ano só será novo se você fizer algo novo, é a maior verdade. E por que começamos o ano tão motivados e não conseguimos sustentar as resoluções do início no decorrer do ano? Nos falta foco, disciplina e constância nas ações para mudar os velhos hábitos. Na maioria das vezes, temos crenças limitantes e/ou ganhos secundários que nos “aprisiona” na situação em que não queremos estar. Portanto, o primeiro passo para a mudança exige DECISÃO!


Antes de decidir o que você quer e o que precisa ser feito para alcançar esse objetivo, te convido a refletir sobre o que mantém você na situação que não quer estar. Ou seja, porque você está onde não quer estar e como você chegou aí? Quais são as suas limitações e dificuldades? Escreva! Quais são as suas inseguranças, medos ou incertezas? Questione suas crenças de que “eu não consigo, eu não posso, eu tenho que” ou qualquer crença que te mantém aí no lugar que não é o que você quer. 

As crenças foram construídas por tudo que ouvimos, vemos e vivenciamos dentro da nossa família, em nossa religião e sociedade, se tornam verdades absolutas! Ficamos tão apegados a essas “verdades” que nos impedem de alcançar mais felicidade, que nem sequer questionamos o poder dela em nossas vidas. E assim aceitamos viver de uma forma indigna. SIM, é indigno você não viver de uma maneira mais feliz e realizada.

Esse passo é importante para o autoconhecimento e perceber sua autorresponsabilidade. Sem culpa, veja quais comportamentos e emoções que te levaram a esse lugar. Com a autorresponsabilidade, você deixa de culpar o outro pela “desordem na sua vida” e traz seu poder de volta para você: Única pessoa capaz de fazer algo pela sua mudança positiva! Após escrever tudo que foi proposto, você terá condições de construir os passos para a mudança.

Antes de começarmos a pensar no ano cheio de possibilidades que se inicia, reflita comigo: Como foi seu ano de 2018? Qual foi o seu maior aprendizado? Do que mais você reclamou no ano passado? O que não está bom? Para começo de conversa, reclamar não vai te tirar desse lugar. Refletir sobre o que te magoa, te deixa com raiva, triste ou com medo, amplia sua consciência sobre o que você não quer e buscar a “luz” para alcançar o que você deseja. Então, o que você fará de diferente para ter um ano mais feliz? A mudança está em suas mãos. ESCOLHA!

Agora vamos olhar para frente. Tem um exercício que gosto muito que é escrever uma carta do futuro em que você descreve em detalhes a vida dos seus sonhos, sem filtro ou julgamento (aquela voz que teima em te dizer que isso não é possível). Se atreva em escrever seus sonhos. Defina um plano para realizar isso. 

Ouse ter metas grandes. Coloque uma meta que aumente o seu desempenho, que vai te ajudar a gerar mais energia e criatividade. Porém, você precisa acreditar em você, no seu potencial, nas suas forças pessoais. Se você duvida que é capaz de alcançar, você não vai sair do lugar. Aperta o “START” e começa! Suas metas precisam estar conectadas com o seu coração e com a sua essência! Dedique-se para conquistar, se divirta no processo de alcançá-las. Faça um compromisso com você, com seu auto cuidado, com sua saúde mental, com aquilo que faz seu coração vibrar.

Saia da zona de conforto! Tem que ter as atitudes corretas, tem que agir! Comece a dizer não para tudo que não é compatível com o seu sonho. Tem que pagar o preço da mudança: seja acordar cedo para se exercitar, abrir mão do doce que você ama, voltar a estudar, ler mais, se expor nas redes sociais para fazer propaganda do seu negócio ou terminar aquele relacionamento que não está mais alinhado com o que você quer para sua vida. Também inclui fazer terapia!

Você vai ter que se superar, parar de buscar aprovação e validação dos outros. Ousar enfrentar os desafios! Você precisa acreditar que consegue! E para potencializar essa mudança, sugiro aqui o caderno da gratidão para que você crie o hábito de escrever e agradecer pelas coisas positivas que existem ao seu redor. Foque no que funciona na sua vida. Aceite e agradeça a sua vida como ela é. Isso não significa inércia, mas, que você tem motivos SIM para agradecer e pode SIM construir um novo caminho tendo escolhas positivas, conectadas a sua essência. 

Um feliz novo ciclo, com amor, Emanuela Hora.