Postagens

Mostrando postagens de 2019

Veganismo é modismo?

Imagem
Acredito que o ser humano precisa de muitos estímulos para poder seguir algo. Acredito
também que o exemplo dos outros, as experimentações, as comprovações de sensações
e mudanças são os pontos chaves para que algo se transforme na nossa vida. Novidades
sempre vão surgir. Algo novo sempre vai ter. Mas o que importa é o que você pretende
ao longo da sua vivência nelas. Por que se tornar vegetariano? Por que se tornar
vegano? Qual o seu propósito? O que te estimulou? O que te fez pensar em seguir esse
estilo de vida e esse tipo de alimentação? Se foi porque viu alguém e quis experimentar
mas você ainda não entendeu de verdade o que significa, acredito que não funcionará
por muito tempo. Mas se foi porque viu alguém e quis experimentar e nesse tempo você
buscou informações, sentiu e percebeu que ela trará mudanças benéficas para si e para o
mundo, acredito que com esses argumentos você deixará que ele faça parte de sua vida.

Estamos ouvindo mais sobre o Veganismo, estamos vendo mais esta…

Você está desencorajando ou empoderado seu filho adolescente?

Imagem
Lidar com o período da adolescência é um desafio para os pais, que muitas vezes tentam antecipar as consequências – e riscos - dos hábitos e atitudes dos filhos e, a partir, se vêem diante de um dilema complicado: desencorajar ou empoderar o adolescente? A resposta pode parecer simples, mas as preocupações inerentes à parentalidade trazem muita complexidade a essa escolha.
Segundo os autores Jane Nelsen e Lynn Lott, desencorajar é fazer pelos filhos o que eles podem fazer por si mesmos, é se colocar entre o seu filho e a experiência de vida. Esse desencorajar geralmente vem do medo, da preocupação, da culpa ou da vergonha.
Empoderar, por outro lado, é deixar de se colocar entre a vida e seus filhos, mas estar disponível para dar apoio e encorajamento. Também é fazer com eles em vez de fazer por eles. Comportamentos empoderadores dão aos filhos a oportunidade de aprender com os erros e fortalecer sua autonomia.
Para ajudar a estabelecer coragem nos adolescentes:
- Te…

Benefícios de participar de grupos terapêuticos

Imagem
A participação em terapias de grupos traz uma série de benefícios e possibilidades terapêuticas que pode facilitar a escolha dessa modalidade de tratamento por parte dos seus membros. No grupo, os participantes são convidados a expor seus medos, problemas e dificuldades de forma acolhedora e sem julgamento.
O psicólogo, como o facilitador desse trabalho, faz suas intervenções quando necessário. Os outros participantes interagem contando suas experiências, angústias e dores. No grupo há um
espaço seguro para essa troca, assim como na terapia individual, o sigilo é um componente indispensável entre os membros.
Outro aspecto importante a ser considerado no grupo terapêutico é a igualdade em que são tratados todos os membros do grupo, com respeito e dignidade. Os encontros podem ser semanais ou quinzenais, a participação em grupos terapêuticos não dispensa a terapia individual, porém, pode ser uma escolha viável para quem não pode financeiramente fazer o atendime…

Autenticidade: um ato de amor

Imagem
Como mostro quem sou? Já pensou sobre a necessidade humana por autenticidade? Pois é, ser você mesmo importa para sua saúde mental. É comum se falar sobre isso, principalmente entre aqueles que estão buscando a felicidade e a realização de seus sonhos. Diversas linhas teóricas da psicologia e da terapia apresentam formas e técnicas para se conhecer e para se permitir ser quem se é. E, então, desenvolver mais autonomia e aumentar as chances de alcançar o que se busca. Na verdade, indo mais a fundo, eu diria que se aprende a entender o que realmente se busca e quais sãos as necessidades que estamos tentando suprir no percorrer desse caminho terapêutico. Estar conectado com sua essência, exercitando a autenticidade pode lhe ajudar e muito com isso.  O médico, palestrante e terapeuta Canadense Gabor Maté é autor de diversos livros que ressaltam nossas necessidades de apego e da construção de quem somos. Ele é também conhecido por seus estudos sobre vícios, traumas e desenvolvimento humano. …

Mudar hábitos alimentares, será que é possível?!

Imagem
Nós estamos sempre passando por mudanças. Essas mudanças nos levam para algo melhor ou ao menos algum aprendizado teremos.
Será que nossas condutas atuais estão gerando benefícios para a gente, para o próximo e para o nosso planeta?
Somos responsáveis por cada escolha que temos.
Te convido para assumir sua autorresponsabilidade nos seus hábitos alimentares diários e com isso trazer para sua vida mudanças que te trarão melhorias no seu mundo interior e exterior.

Já pensou em usar sacolas de pano quando for fazer suas compras de alimentos? Usar menos plástico ajuda no processo da reconstrução ambiental e com isso podemos viver em ambientes mais limpos e seguros!
E levar seus potinhos de vidro quando for comprar seus alimentos por peso! Já evitaremos o uso de saquinhos plásticos e consumiremos o necessário baseado no seu plano alimentar!
E na hora de cozinhar, já pensou em preparar a comida somente aquela quantidade que for comer? Pra que exageros? Pra que desperdícios? Comemos só aquil…

Autoaceitação e autocrítica

Imagem
Autoaceitação é a capacidade de aceitar a si mesmo como você é, em vez de como você gostaria de ser. É a base do florescimento, embora para muitas pessoas seja mais fácil falar do que fazer. Para viver de maneira plena e serena, você deve entender o equilíbrio entre o positivo e o negativo e se esforçar para aceitar tudo o que a vida lhe reserva.


Assim, temos que reconhecer nossa crítica interior, combater a autocrítica e os pensamentos negativos que temos de nós mesmos. Isso fará com que você se sinta mais confiante, mais seguro e, acima de tudo, mais feliz. Imagine você tirar um peso, se afastar de alguém que está constantemente denegrindo você e te dizendo coisas negativas. Geralmente essa pessoa que te trata com tanta crítica, é você mesmo. Já parou pra pensar sobre isso? Como você anda se tratando?
Certamente depois que você se afastar dessa "pessoa negativa", você pode se sentir totalmente livre para fazer o que quiser, aceitar-se e conquistarmuito mais coisas do que voc…

Como melhorar o aproveitamento de cálcio no organismo?

Imagem
Esse mineral é necessário para coagulação do sangue, contração muscular e constituição óssea. Sua biodisponibilidade (quantidade desse composto presente no alimento que pode ser absorvida e utilizada pelo organismo) é intensificada pelo ácido cítrico. Ela é mais eficiente no inicio do intestino delgado e do intestino grosso. Por isso que a flora intestinal deve estar adequada para produzir um meio ácido. Não basta simplesmente ingerir o cálcio, é preciso saber a quantidade que conseguimos absorver do mineral existente no alimento.



Quanto precisamos ingerir de cálcio por dia? Ninguém sabe com precisão a quantidade de cálcio diário para a manutenção da saúde. A recomendação a ser seguida, por ser considerada mais segura, é a dos Estados Unidos, de 1000 mg por dia. Ela é superestimada. Mas cada país tem a sua tabela e os que não tem seguem a que acham mais válida.

A ingestão de cálcio para os vegetarianos que ingerem leite e queijo regularmente, não há problema. Para os vegetarianos estr…

Meu filho virou um adolescente, e agora?

Imagem
Existe uma consciência coletiva equivocada sobre a adolescência e que vem sendo passada de geração em geração. Ensinamentos que diminuem a adolescência a uma fase complicada, de rebeldias, dores de cabeça e ingratidão. Mas o que, de verdade, pode ser entendido sobre a adolescência e a relação que se estabelece entre pais e filhos nessa fase?


O fato é: quando os filhos chegam à adolescência os pais automaticamente entram em uma fase de incompetência e vulnerabilidade, na qual o que foi construído/mantido no ciclo anterior precisa, agora, ser repensado. É nesse contexto que surgem os conflitos, os afastamentos e a construção de rancores.
É papel dos pais, entretanto, como indivíduos mais maduros e experimentados, assumir a tarefa de distinguir em seus filhos o que são comportamentos e o que são emoções. É muito importante focar nas atitudes especificas dos adolescentes, sempre evitando rotulá-los como preguiçosos, apáticos ou ausentes. Não é tarefa fácil.
A fórmula para o equilíbrio na…

Reconstruindo sua vida após o divórcio

Imagem
Quando uma relação amorosa chega ao fim algumas pessoas se deparam com a frustração e a dor de ver o sonho de construir uma família sendo diluído com a separação, é uma dor imensurável. Além de ter que lidar com as próprias dores, anseios, medos, frustrações, julgamentos e culpa, a pessoa ainda se vê tendo que lidar com o que a outra pessoa está fazendo da vida dela (acredite, esse pode ser um fantasma que assombra os recém separados). O divórcio é a crise na vida adulta mais comum, também é uma dor subestimada por muitas pessoas, até passarem por ela!


As fases que uma pessoa no processo de separação conjugal passa podem ser as mesmas enfrentadas no luto por morte de alguém querido. Algumas pesquisas na área afirmam que os recém divorciados podem enfrentar o pior nível de bem-estar e felicidade, maiores níveis de depressão e outras psicopatologias. É considerado por alguns estudiosos como o maior evento estressor e traumático na vida de um adulto. Então, se esse é o seu caso, não sub…

O que a raiva não faz

Imagem
Entender o que sentimos é importante. Viver por aí despejando emoções sem cuidado e sem enxergar o que está por trás delas, pode nos levar a caminhos contrários ao que estamos buscando. Veja, nossas emoções são também formas de comunicação. Formas essas cheias de informações sobre nossa maneira de se relacionar. Muito do que não conhecemos sobre nós pode ser melhor analisado através do que sentimos e os efeitos desses sentimentos em nosso corpo, nossos relacionamentos e nossa vida. 


Na teoria do apego, com um olhar no desenvolvimento de um vínculo saudável entre cuidadores e suas crianças, sentimentos como a raiva precisam de espaço e acolhimento. Para que assim a criança aprenda a lidar com a raiva de forma saudável. Mas o que isso significa exatamente? 

Significa observar e perceber qual é a melhor maneira para que você e sua criança aprendam a lidar com sentimentos difíceis ou desconfortáveis. Entendendo ainda que esse desconforto é aprendido e percebido de diferentes formas a depend…

Sobre Saúde Mental: o que faz sentido pra você?

Imagem
Hoje venho convidar a uma reflexão. Mais do que mergulhar em teorias e tentar entender o que está por trás de comportamentos e emoções, questiono o sentido pessoal que desenvolvemos acerca da nossa saúde mental.


A psicologia enquanto ciência e as práticas terapêuticas desenvolvidas ao longo dos anos, nos trazem um embasamento profissional para compreender e encontrar soluções para tantas questões que permeiam o âmbito dos relacionamentos e do desenvolvimento humano. 
Contudo, ao pensar no trabalho realizado em consultório sempre me questiono (e questiono meus clientes) sobre o que faz sentido para quem me procura. Assim, quais são as perspectivas negativas e positivas acerca de um dado problema ou sintoma? Como enxergamos possibilidades e soluções? Ou ainda, o que pode ajudar a enxergar pontos de vista que nos ajudem a seguir em frente? 
Essa reflexão tem muito a ver com a humanização da saúde mental. Se é que já não lhe pareça estranho pensar em uma saúde mental “desumanizada”. Mas ela …

O que atrapalha e o que ajuda na criatividade? | CriativaMente no Divã

Imagem
O que atrapalha e o que ajuda na criatividade? | CriativaMente no Divã [Episódio 1]



A criatividade é o que nos move sempre na direção de um lugar positivo e melhor. Se não fosse ela, nós ainda estaríamos vivendo como nos tempos das cavernas. A criatividade é uma habilidade importante e possível de ser desenvolvida por qualquer pessoa, não é uma exclusividade para gênios ou artistas.

Mas como exigir que as pessoas sejam criativas, se as escolas e faculdades não ensinam seus alunos pensarem fora da caixinha, a serem proativos e criarem soluções diferentes para problemas comuns? Se nem nossos pais nos ensinam criatividade – nos chamando a atenção a cada atitude e ação que tomamos fora do comum – como podemos ser criativos?

Então, no divã, Milena Mendonça (Psicóloga) e Lulu Souto (Designer de jóias), refletiram sobre a criatividade e deram 3 dicas valiosas de como destravar o processo criativo, no primeiro episódio da série CriativaMente no Divã.

Tem um vídeo versão resumida bem bacana no…

Como anda amando? Como está sendo amado?

Imagem
Buscar a felicidade do outro não é algo negativo. Agradar os outros, fazer coisas agradáveis ​​por eles, ceder às necessidades deles muito menos. Pelo contrário, é algo bom e desejável, desde que seja um ato que nasce de um altruísmo maduro e desinteressado, de um autocontrole e de um equilíbrio emocional que leva a pessoa a agir livremente e a buscar realmente o bem do outro. Mas quando não é assim?


Muitos bloqueios e sintomas de ansiedade estão intimamente relacionados à necessidade de responder às expectativas - reais ou imaginadas - do outro. Agir desta maneira, é uma faca de dois gumes, em primeiro lugar, porque não é possível nem saudável tentar corrigir as deficiências dos outros e, em segundo lugar, porque você deixa de ser autêntico ao tentar adaptar-se às demandas externas.
É muito provável que a ideia de sentir-se obrigado a satisfazer e agradar tenha sido aprendida na infância. Uma etapa em que a criança compreendia que o carinho, a atenção e o reconhecimento eram recebidos …

Criando filhos resilientes para que floresçam nas adversidades da vida

Imagem
Do que se trata a Resiliência? Existem várias definições para esta palavra, mas, em essência,
resiliência é a capacidade de se adaptar e de responder positivamente diante das
adversidades. Ou seja, é a capacidade de se adaptar às mudanças, de lidar com problemas e
superar obstáculos.

Essa característica deixou de ser apenas importante. Segundo especialistas em educação de
crianças, ela se tornou absolutamente necessária nos dias atuais.



Crianças resilientes têm algumas características únicas, fáceis de identificar:

- Têm mais confiança em dizer “não”, quando desconfortáveis.
- Adaptam-se melhor a novas situações.
- Aumentam seus desafios e se fortalecem por meio deles, pois sentem menos medo de
errar.
- Aprendem a lidar melhor com sentimentos difíceis, como estresse, medo, tristeza e
raiva.
- Tomam ações práticas para resolver problemas.
- Assumem mais responsabilidades.

Ajudar as crianças a se tornarem resilientes não significa poupá-las de dificuldades ou
angústias. Dor emocional e …

Alimentos, suas cores e seus benefícios emocionais

Imagem
Todos os âmbitos da vida estão interligados. Quando a gente não entende, mesmo assim ela nos mostra e as coisas se encaixam. Na alimentação não é diferente. O corpo pede um alimento quando estamos precisando de algum nutriente. O corpo pede algum alimento quando estamos precisando nos acolher. 

O corpo pede algum alimento quando estamos precisando expandir. Se alimentar é autoconhecimento. É só questão de observar. E quando as cores dos alimentos nos trazem reflexos emocionais?! Cada cor tem uma vibração emocional e o alimento traz isso em forma de nutrientes. Essa relação nos faz ver o quanto às emoções estão associadas a nossa conduta alimentar e nossas ações. A cor vermelha nos faz aterrar, ter vitalidade, coragem e individualidade. Consumir morango, beterraba, tomate, acerola, framboesa nos fazem criar raízes para podermos nos erguer com mais força. A cor laranja nos traz prazer na vida, confiança, auto estima alma, desejos fortes e os alimentos com essa cor como abóbora, tangerina, …

Adolescentes positivos: seu filho não precisa ser o melhor. Ele precisa ser feliz.

Imagem
Nós construímos expectativas sobre nossos filhos, mesmo antes de eles nascerem. Fazemos isso desde a escolha do seu próprio nome. As expectativas estão relacionadas aos nossos desejos e vivências. Muitas pessoas escolhem para seu filho o nome de alguém que desejam ou admiram e esperam que seu filho receba as qualidades positivas dessa pessoa. Outros o fazem em torno do significado, eu por exemplo, escolhi com meu marido o nome de Enrique, por ser uma versão espanhol, que em germânico significa "governante da casa”. Escolhemos pelas nossas vivências e pelo significado.


As expectativas influenciam muito o comportamento. O sociólogo americano Robert K. Merton foi um dos primeiros a explicar esse fenômeno por meio do que ele chamou de "profecia autorrealizável”. Merton explicou da seguinte maneira: "A profecia que autorrealiza é, a princípio, uma definição 'falsa' da situação que desperta um novo comportamento que faz com que a falsa concepção original da situação se…

A importância de desenvolver Autocontrole

Imagem
O autocontrole é a capacidade que temos de decidir autonomamente em qualquer situação que surja e orientar essas decisões para o que realmente queremos alcançar. Decidir serenamente tanto em decisões que afetam nosso entorno, quanto aquelas que afetam nosso interior.
Uma pessoa com autocontrole é também aquela que se encontra em situações dolorosas como um diagnóstico de doença terminal, e decide entre as opções de permitir seu desequilíbrio interno pelo evento ou controlar suas emoções para proporcionar bem-estar e a força de sua família (isso afetando seu interior primeiro).
Na psicologia, o autocontrole é tomado como uma peça fundamental para a saúde mental, física, psicológica e emocional de cada pessoa. É uma característica que está naqueles que se mantêm "em sã consciência", pelo menos a maior parte do tempo. Em seguida, quero mostrar alguns passos simples para alcançar o autocontrole. Depois de aplicá-las, você verá, sem dúvida, grandes mudanças em você.

Pense nas coisas…

Não existe Homossexualismo. Existe Homossexualidade e isso não é doença.

Imagem
A primeira coisa que deve ser esclarecida, é que jamais deve ser usado o termo homossexualismo como alguns ainda se referem. O sufixo "ismo" indica doença, o que comprovadamente pela ciência, não é o caso da homossexualidade. O sufixo "idade" das palavras heterossexualidade, homossexualidade, bissexualidade indica identidade. Investigações científicas mostraram que a homossexualidade, por si só, não está associada a transtornos mentais ou problemas emocionais ou sociais. No passado, os estudos sobre gays, lésbicas e bissexuais incluíram apenas aqueles em terapia, criando assim uma tendência nas conclusões resultantes. Quando os pesquisadores examinaram dados sobre essas pessoas que não estavam em terapia, descobriu-se rapidamente que a idéia de que a homossexualidade era uma doença mental não era verdade. Em 1973, a American Psychiatric Association retirou a homossexualidade do manual oficial detalhando os transtornos mentais e emocionais. Dois anos mais tarde, a A…