26 de dezembro de 2018

Como desenvolver relacionamentos positivos

Por, Emanuela Hora - psicóloga

Muitas pessoas buscam ter relacionamentos positivos, ou seja, relacionamentos que sejam bem sucedidos e felizes. O filósofo Aristóteles, em tempos remotos, já definiu o homem como um animal social por natureza. Quando nos sentimos acolhidos, conectados em nossos relacionamentos, nossa saúde e bem-estar é positivamente impactada. Além disso, nutrir relacionamentos positivos também impacta nossa carreira e performance profissional.

Pesquisas da Psicologia Positiva afirmam que pessoas que fazem um ato gentil para alguém, têm um aumento mais significativo do bem estar. O cultivo de amizades, fazer e manter amigos, promove a aprendizagem vicariante, as emoções positivas e fortalece nossos vínculos. Relacionamentos positivos no trabalho, pautados pelo respeito, amabilidade e vitalidade, são associados ao aumento do foco e diminuição dos erros e acidentes. 


Para ter relações saudáveis, é necessário desenvolver algumas habilidades e comportamentos:

Trabalhe o autoconhecimento: se conhecer, reconhecer suas emoções, suas limitações e potencialidades. Assim também como seus sentimentos de carência e de amor-próprio. E a partir do conhecimento de si, também conhecer o outro, quais são as falas que magoam, os comportamentos tóxicos e o que pode ser evitado, assim também como o que pode ser feito para aumentar o vínculo.

Mostre gratidão: Aproxime-se das pessoas através de atitudes de gratidão! Estudos realizados por Martin Seligman, considerado o Pai da Psicologia Positiva, descrito por Flora Victória em seu livro “Semeando Felicidade”, descreve que pessoas que entregaram a alguém uma carta de gratidão, apresentaram um aumento em seu nível de felicidade que perdurou por até um mês após a entrega da carta. Vamos aproveitar esse clima de união dos festejos de fim de ano e praticar? Sugiro que você escolha alguém pelo qual você tem estima e gratidão e escreva uma carta para ela (em tempos modernos, pode mandar pelas redes sociais, o importante é realizar a atividade). Agradeça as pessoas que foram (ou são) importantes em sua vida.

Cultive o afeto e admiração: Casais felizes têm pelo menos cinco horas de convivência e diálogo positivo por semana. Para cada interação negativa, realize cinco interações positivas (sendo a interação negativa qualquer assunto ou comentário negativo que fizer com o outro). Elogie, faça gentilezas e relembre momentos felizes. Dê afeto, beije, abrace, troque carinho.

Tenha uma comunicação afetiva e efetiva: Esteja presente, ouça o que o outro está dizendo com a mente e o coração. Se conecte com o outro. Outro preditor que o relacionamento dê certo é o modo como comemoramos quando alguém nos conta alguma notícia boa. Se você comemora com o outro, permite se conectar com a felicidade dele através da comunicação ativa e construtiva. Como você reage quando alguém te fala algo positivo? Respostas ativas-construtivas, aumentam a conexão e elevam as emoções positivas que estão vinculadas ao amor e a amizade. Quebre o círculo de comunicação negativo (criticar, se defender ou atacar), casais felizes se esforçam em ouvir e levar a sério as necessidades dos outros. Eles validam um ao outro, comunicando que a perspectiva de um parceiro é compreensível e válida.

Se quer mais longevidade, menos estresse, mais felicidade e menos problemas de saúde: Cultive relacionamentos positivos no ambiente familiar, social, laboral e amoroso.
Com amor, Emanuela.

5 de dezembro de 2018

Como alcançar a felicidade segundo a psicologia positiva.


Por  Milena Mendonça, psicóloga. 

Em contraposição a psicologia clínica tradicional, centrada em psicopatologias, a psicologia positiva objetiva descobrir e potencializar o que nos faz feliz, entendendo que saúde não é meramente ausência de doença e sofrimento, e sim o bem-estar psicológico e a sensação de plenitude.


Segundo o modelo da psicologia positiva, que utiliza conceitos budistas e da psicologia humanista, Martin Seligman (considerado o pai da psicologia positiva) propõe em seu livro “A autêntica felicidade”, em 2011, três vias essenciais para alcançar a felicidade:
- A vida prazerosa
- A vida engajada
- A vida significativa

A vida prazerosa é aquela centrada em experimentar o máximo de emoções positivas possíveis, ou seja, todo tipo de prazer. Essas emoções positivas podem ser experimentadas através de prazeres imediatos (exemplo, saborear uma boa comida), também através de lembranças (rememorando momentos ou logros positivos), ou imaginando um futuro de conquistas. As lembranças, antecipação ou visualização dos prazeres amplificam as emoções positivas. O prazer é sem dúvida um dos caminhos para a felicidade, porém recorde que prazer não é sinônimo de excesso. Esta via tem um grande inconveniente, que é a rapidez com que as pessoas se acostumam ao bom, porque as emoções positivas vão diminuindo. Afinal, "só sabe o que é alegria, quem conhece a tristeza”.

A vida engajada consiste em encaminhar nossas fortalezas pessoais para a consecução do maior número de experiências positivas possíveis, assim devemos identificar ditas fortalezas pessoais e focar nossas ações para objetivos previamente estabelecidos. Uma vez detectado tudo aquilo que nos faz bem, que gostamos, devemos colocar isso em prática em trabalhos ou atividades de uma maneira que nos proporcione um grande bem-estar. Neste ponto é muito importante o conceito “flow” (fluir) juntamente com a atividade para alcançarmos a felicidade.

A vida significativa consiste em dar um propósito a nossa vida, ou seja, direcionar as fortalezas pessoais humanas para uma causa maior, um significado, algo que nos transcenda. Por exemplo, fazer parte de uma ONG, de associações comunitárias, esportivas, culturais, etc. Em outras palavras, usar nossas habilidades a serviço de uma comunidade, dos demais, de maneira altruísta (outro conceito importante para a psicologia positiva). Este tipo de atividade aumenta a satisfação pessoal e o sentimento de felicidade.

O objetivo desses três caminhos para a felicidade, complementares e não excludentes, é o mesmo: aumentar nossa satisfação e plenitude com a vida. Se você tinha motivos para ser infeliz, estou dando vários para que você passe a ser feliz e, mais que isso, para que cultive essa felicidade. Prazeres, engajamento, propósito… Comece agora.
Com carinho, Milena.