29 de outubro de 2018

Qual a importância do desenvolvimento das habilidades socioemocionais?


Por, Isadora Lacerda, psicóloga. 

As habilidades socioemocionais são um conjunto de aptidões desenvolvidas a partir da Inteligência Emocional das pessoas. Em resumo, elas apontam para dois tipos de comportamento: a sua relação consigo mesmo (intrapessoal) e também a sua relação com outras pessoas (interpessoal).
São aquelas qualidades interiores que a maioria de nós valoriza no dia-a-dia, mas que por serem subjetivas, quase sempre acabam ficando em segundo plano.



Considerando a Inteligência Emocional como um conjunto de habilidades socioemocionais, pode-se dividir essas habilidades em 3 grandes pilares:
1. Emocionais: Como lidar com as próprias emoções a partir das situações a que somos expostos no cotidiano.
Habilidades como: aprender a ganhar e a perder, aprender com os erros, desenvolver autoconfiança, senso de autoavaliação e de responsabilidade.
2. Sociais: Como se relacionar com o mundo externo e com as pessoas ao redor.
Dizem respeito às capacidades de saber cooperar e colaborar, lidar com regras, comunicar-se bem, resolver conflitos e atuar em ambientes de competição saudáveis.
3. Éticas: Como agir positivamente para o bem comum.
Respeito, tolerância e aceitação das diferenças são qualidades importantes nessa área.

Segundo recentes estudos que ampliam ainda mais entendimento das habilidades emocionais, elas podem ser entendidas também como a capacidade de ter Abertura a novas experiências (tendência a ser aberto a novas experiências estéticas, culturais e intelectuais); Consciência (inclinação a ser organizado, esforçado e responsável); Extroversão (orientação de interesses e energia em direção ao mundo externo, pessoas e coisas); Amabilidade (tendência a agir de modo cooperativo e não egoísta); e Estabilidade Emocional (previsibilidade e consistência de reações emocionais, sem mudanças bruscas de humor).

O aprendizado e reforço de nossas habilidades socioemocionais é muito importante porque elas são testadas e estimuladas a todo momento - no trabalho, estudos, lazer ou família – e, porque, afinal de contas, são elas que ditam a forma como reagimos e nos relacionamos conosco e com o mundo ao nosso redor, em nosso cotidiano.

Com carinho,
Isadora Lacerda.